Fui almoçar com um amigo a Letna e como precisava de trabalhar um par de horas durante a tarde perguntei-lhe se conhecia algum café agradável, com um estilo clássico, como eu gosto, ali por perto. Falou-me do Liberál, ao fundo da rua Heřmanova. Fui à descoberta e encontrei-o, numa esquina, piso térreo de um belo edifício com uma data inscrita no topo: 1924. Um exemplar arquitectónico da Primeira República.

Ali por perto existe uma acolhedora praceta com árvores que na Primavera e Verão se enchem de folhas. Apesar de ser do outro lado da rua o Liberál tem ali uma discreta esplanada, meia dúzia de mesas de madeira com cadeiras a condizer, uma variante conveniente para o espaço interior, mais silencioso, mais adequado às escuras tardes de inverno.

Gostei logo do espaço, piso de tacos de madeira, luz a entrar na diagonal pelas janelas que prometem reduzir o impacto dos dias mais escuros, bancos corridos ao longo das paredes, revestidos a napa. Mesas de tampos de mármore, casadas com cadeiras de madeira. Cabides clássicos para os agasalhos necessários em dias rigorosos mas agora despidos de clientes.

Em suma, um ambiente de antigamente. Fica a dúvida, será que este espaço sempre foi um velho café ou terá sido renovado e muito bem recriado para se parecer com um? Seja como for é o local agradável para trabalhar um bocado, com Wi-Fi rápida mas sem muitas tomadas de electricidade. Também adequado para ler um pouco, descansar as pernas ou para quem é residente, arejar um pouco das paredes de casa.

O serviço é agradável, sem problemas linguísticos. Um menu dentro do normal com o leque usual de bebidas, quentes e frias alcoólicas e não, cerveja Únětické a 33 CZK, uma boa lufada de ar fresco de uma fábrica de Únětice, um quase subúrbio de Praga a alguns quilómetros a noroeste da capital. O leite com chocolate é um pouco artificial mas aceitável para um dia frio, mas a limonada é uma maravilha. Custa 50 CZK e vem servida num canecão de meio litro, com pedaços de fruta a temperar o líquido, como uma sangria sem vinho. A água usada é carbonificada e umas folhas de menta adicionam o toque final de frescura.

O ambiente, claro, pode mudar rapidamente ao sabor da clientela de momento, mas é predominantemente tranquilo. Não há música e os clientes estão sozinhos, consigo mesmos, lêem, escrevem, trabalham.

Ricardo Ribeiro viveu durante três anos em Praga, apenas pelo amor à cidade e um dia decidiu criar um website dedicado à sua paixão. Actualmente mantém os fortes laços emocionais e sociais com Praga e passa alguns meses por ano por lá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here