Nenhum visitante passará por Praga sem reparar na colina que se ergue por detrás da margem oeste do rio Vltava. Muitos gastarão um par de horas a explorar os caminhos que cruzam Petrin, apreciando as vistas espectaculares sobre a cidade e a beleza deste parque ali tão perto do centro de Praga. Mas raros serão o que se atrevem a ir um pouco mais longe, a espreitar o que se encontra por detrás do topo, apesar da curiosidade ficar sempre. É desse assunto que vamos tratar aqui hoje.

Imediatamente a seguir ao cume da colina, existe um complexo urbano universitário, composto por onze blocos principais, que compreende residências para estudantes e diversos departamentos relacionados com a estrutura académica. E como os checos gostam de se divertir, num destes edíficios encontra-se uma das emblemáticas discotecas da cidade, o Klub 007 onde se organizam frequentemente espectáculos ao vivo.

Mas o principal destaque, o “monstro” escondido, aguarda em silêncio por detrás do “campus” universitário: o colossal estádio de Strahov, fruto da procura de afirmação da Primeira República Checoslovaca (1918-1938), que chegou a ser o maior recinto desportivo do mundo, com 220.000 lugares sentados, valor que mesmo actualmente é apenas batido pelo circuito automobílistico de Indianapolis, nos EUA.

paratrasdepetrin-02

A construção do Estádio Strahov, ou Strahov Stadion, em checo, iniciou-se em 1926; essa primeira versão do recinto apoiava-se sobre uma estrutura de madeira, substituída pelo betão seis anos depois. Os primeiros eventos a terem lugar no estádio foram organizados pela SOKOL, uma organização com forte apoio estatal que por essa altura procurou divulgar actividades desportivas e de ar livre por toda a população do país. A ginástica sincronizada practicada por centenas de pessoas em simultâneo encheram de magia as bancadas de Strahov. A esses encontros, que ocorriam de cinco em cico anos, chamava-se “Spartakiadas”, numa associação entre a energia do movimento e a fulminante revolta dos escravos romandos liderados por Spartacus.

Em meados dos anos 60 do século passado foram organizadas algumas competições automóveis. Com a queda do sistema comunista, Strahov passou a albergar concertos, tendo actuado ali nomes grandes da música mundial: Rolling Stones, Guns N’Roses, Bon Jovi, Aerosmith, Pink Floyd, U2 e AC/DC, para citar apenas alguns nomes.

Actualmente o recinto é utilizado como complexo de treinos e escola de futebol pelo Sparta de Praga, existindo no interior do estádio oito campos de futebol. A estrutura encontra-se contudo em evidente estado de degradação, sendo uma sombra decadente das gloriosas jornadas de outros tempos. O debate sobre o futuro do estádio e da zona envolvente é intenso, com vários projectos de reconversão sobre a mesa.

A título de curiosidade, sob esta imensa massa de terra passa um túnel rodoviário, com cerca de 2 km de comprimento. A central de ventilação que serve o túnel Strahov pode ser vista perto do monumento quase fálico que salta à vista a qualquer um que passe junto ao estádio, contornando-o pela esquerda. Esse é aliás o ponto mais aconselhável para apreciar a vista envolvente.

paratrasdepetrin-03

No seguimento do estádio, existe um complexo pertencente à Televisão Checa, enquanto do lado esquerdo, as vistas deslumbrantes sobre a cidade são entrecortadas por algumas moradias de luxo. Inicia-se depois o parque Ladronka, muito apreciado pela população local para actividades ao ar livre, sobretudo para a patinagem, pela morfologia do terreno, essencialmente plano e estendendo-se em linha recta por cerca de dois quilómetros.

Se decidir arriscar a espreitar estas paragens, suba pela colina Petrin, siga o seu instinto, com facilidade dará com o estádio. Senão, tem um autocarro que o traz cá acima, que sai de Karlovo náměstí (onde existe também uma estação de metro da linha amarela).

PARTILHAR
Artigo anteriorUm Passeio por Vinohrady
Próximo artigoA Rua Mais Estreita de Praga
Ricardo Ribeiro viveu durante três anos em Praga, apenas pelo amor à cidade e um dia decidiu criar um website dedicado à sua paixão. Actualmente mantém os fortes laços emocionais e sociais com Praga e passa alguns meses por ano por lá.

DEIXE UMA RESPOSTA