inverno-em-praga

Era Inverno, não me recordo do ano ou do mês. Em minha casa recebia um viajante português que considerava mudar-se para Praga e queria ver a cidade nas suas condições mais dificeis, quando as temperaturas vão abaixo de zero, as ruas estão sujas, há gelo nos passeios, lama pelas esquinas. Naquele par de dias que passámos juntos, dei o meu contributo para a sua decisão final: seria apenas uma questão de regressar a Lisboa para reunir uns quantos haveres e voltaria para encontrar um lar naquela bela cidade.

Quando ele chegou, eu vivia em Letna, e depois de lhe oferecer um chá perguntei-lhe se queria ir dar uma volta. Caminhámos pelo parque, de onde se usufrui uma das muitas boas vistas sobre a cidade antiga. Estariam uns quantos graus negativos, mas as pessoas não prescindiam dos seus momentos de lazer. Chamei-lhe a atenção para isso, para a forma como os habitantes de Praga sorriam para a vida nas condições mais adversas. Junto ao pêndulo que hoje se encontra onde antes esteve uma enorme estátua de Estaline uma série de “putos” faziam acrobacias com skates. Nos trilhos relativamente limpos de neve, casais passeavam de mãos dadas, homens e mulheres solitárias passeavam os seus cães. Havia mesmo quem passasse de bicicleta, desafiando o rigoroso gelo, arriscando uma queda a qualquer momento, apenas evitada pelos muitos anos de práctica.

Aproximámo-nos do castelo de Praga, e foi então que as vi. Duas senhoras já com uma certa idade, sentadas com um ar muito digno, num banco de jardim, um verdadeiro “banco com vista”. Aos seus pés, a cidade, no seu melhor. O rio Vltava, estendendo-se para sul, atravessado pelas velhas pontes. Dali vê-se Starometska, o bairro velho, e, como do rio é sempre a subir pelas colinas acima, avistam-se diversos níveis de Praga, até às modernas torres de Vysehrad.

Tudo aquilo eu já tinha visto, vezes sem conta, nunca perdendo a magia do momento. Por isso, naquela fria tarde de Inverno, o que verdadeiramente me ficou marcado na memória foram as velhotas, descontraidamente sentadas à conversa sobre a vida, como se estivessem a usufruir dos doces raios de sol de Primavera. Felizmente que levava a câmara comigo. Como me sinto sempre bastante tenso a fotografar pessoas desconhecidas, levantei-a, esperei pelo sinal de focagem, e disparei. O enquadramento foi instintivo. Assim como o foi o ajuste dos outros parâmetros (white balance, velocidade e abertura do obturador, ISO) que sempre regulo manualmente. Por isso o resultado final não está grande coisa. Existem elementos que não deviam fazer parte da imagem, como o candeiro que se eleva em frente à cara da senhora do lado esquerdo ou o caixote de lixo do lado direito da chapa. Além disso, o foco está curto, e as duas mulheres não estão propriamente nítidas. Mas mesmo com todas estas imperfeições é uma fotografia de que gosto muito.

PARTILHAR
Artigo anteriorOs Pianos de Praga
Próximo artigoNaplavka
Ricardo Ribeiro viveu durante três anos em Praga, apenas pelo amor à cidade e um dia decidiu criar um website dedicado à sua paixão. Actualmente mantém os fortes laços emocionais e sociais com Praga e passa alguns meses por ano por lá.

3 Comentários

  1. Olá Ricardo.

    Achei seu site por acaso e estou amando. Gosto da maneira como expõe seu ponto de vista da cidade que, em minha opinião, é uma das mais belas. Parabéns por seu trabalho. Abraços.

    PS.: achei a foto linda por sua sinceridade

  2. Viva Ricardo,
    Gosto muito do que escreve e de como o faz, por isso tomei a liberdade de lhe pedir um favor /conselho – em meados de abril tenho de estar em Brno. A TAP não faz essa ligação, só vai até Praga. Gostaria de ir se possível de Lisboa ou mesmo Faro até Brno (sem Bus pelo meio). Ajudas com comphs. aéreas?

    Abraço e desejo tudo de bom

    • Simples… Portugal-Stansted-Brno com Ryanair. De qualquer modo, o autocarro entre Praga e Brno é excelente, toda a experiência é excelente…. é barato, compra-se online, escolhe-se o lugar… e depois, há filmes, serviço de bordo, internet, e é rápido e directo (se bem me lembro). Suponho que leu o meu artigo sobre o aeroporto de Brno…?

DEIXE UMA RESPOSTA